Untitled 2 1

Os 6 erros dos principiantes da tempera.


27.11.2015 Sami Kelin

A têmpera de vidro é um pouco como cozinhar. Você pode ter os melhores e mais recentes equipamentos em sua cozinha, mas a comida ainda pode ficar ruim. Para ser um ótimo cozinheiro, é preciso muito mais do que apenas ter o melhor equipamento – é necessário compreender os processos. É preciso conhecer os ingredientes e as técnicas, além do equipamento.

A automação torna as coisas um pouco mais fáceis. E deixe-me dizer a você, os fornos de cozinha mais recentes têm alguns recursos interessantes. Para ser honesto, isso é exatamente o que estamos tentando fazer com nossos fornos de têmpera – automatizar alguns dos processos a fim de garantir uma qualidade mais consistente. Hoje em dia, os fornos de têmpera vêm equipados com mais sensores, permitindo ao operador extrair mais dados e medições. Eles também incluem mais automação, o que minimiza erros operacionais.

No longo prazo, a automação tornará a operação de um forno um pouco mais fácil. Mesmo assim, os processadores de vidro precisam fazer muitas coisas corretamente, para obter um vidro temperado de alta qualidade.

Eu viajei pelo mundo e vi centenas de fábricas de processamento de vidro. Ajudei os processadores a dar o próximo passo em sua produção.

Abaixo, coletei uma lista de erros comuns que acontecem no processo de têmpera.

  1. Não aprender os fundamentos do processo
    Quando uma pessoa inicia um novo projeto, ela tem que aprender algo novo. Deixe-me dizer a você, eu vi processadores que pularam o básico e acabaram com problemas de qualidade antes mesmo de começarem a obter os resultados adequados. Não é um cenário ideal, eu diria.

Para mim, a linha de têmpera não é uma caixa preta mágica. Para ser honesto, o comportamento do vidro é relativamente simples de entender. Se você não aquecer ou resfriar o vidro uniformemente, ele entortará. Se você aquecê-lo muito, ele terá ondas.

Esses são os princípios básicos que devem estar claros para qualquer pessoa que opere uma máquina de processamento. Os fabricantes costumam oferecer a seus clientes a documentação básica e os pacotes de treinamento que também afirmam claramente os fatos fundamentais. Mas certifique-se de selecionar um parceiro que também possa treiná-lo e instruí-lo além da documentação básica.

Reserve um tempo para aprender os fundamentos do processo! Isso pode demorar um pouco, mas você se beneficiará com isso mais tarde. Por exemplo, quando você introduz novos “coatings”, é fácil olhar para a seção de aquecimento e ver como o vidro se comporta no processo. Se você conhece os fundamentos da transferência de calor, achará mais fácil ajustar o processo sozinho.

Não me interpretem mal, estou feliz em poder participar e também treinar você!

  1. Negligenciar a qualidade do pré-processamento
    A linha de têmpera costuma estar entre os maiores investimentos da fábrica de processamento de vidro. Isso significa que a atenção primária é direcionada principalmente para a linha de têmpera. No entanto, se olharmos para a qualidade do produto final, bem como o rendimento da produção, podemos concluir que o pré-processamento – incluindo o corte, lapidação, lavagem e muito mais – é tão importante quanto o “coating”.

A qualidade do pré-processamento tem uma conexão direta com o rendimento da linha de têmpera quando se trata de quebra e qualidade de produção. Às vezes, vejo plantas de processamento que adquiriram uma linha de têmpera de alto nível, mas deixaram os sistemas de pré-processamento intactos e desatualizados.

O trabalho pobre no corte ou na lapidação, resulta em mais quebra na linha de Tempera. Por outro lado, se o trabalho da borda for bom, o vidro pode funcionar a uma temperatura mais baixa na seção de aquecimento, o que leva a uma melhor qualidade óptica e menos quebra.

Por exemplo, o vidro espesso polido com diamante pode ser processado com temperatura 20 graus mais baixa do que o vidro com borda normal. Isso já tem um grande impacto na qualidade e, claro, na fragmentação do vidro.

  1. Maximizando a eficiência de carregamento
    Quando alguém faz um novo investimento na linha de têmpera, muito raramente esta linha se torna o gargalo da fábrica. Ainda assim, muitos ficam obcecados com a maior eficiência de carregamento possível, colocando placas de vidro pequenas e grandes na mesma carga – o lado longo e o lado curto conduzindo, no mesmo padrão, mas com uma orientação diferente.

Misturar os padrões de carregamento com diferentes orientações de vidro – borda curta versus longa – resultará em qualidade óptica diferente. Se esses vidros forem instalados no mesmo prédio, você verá um reflexo ótico diferente e, provavelmente como resultado, acabará com uma reclamação. Este é um erro comum de novato. Portanto, certifique-se de evitá-lo.

Não me interpretem mal, maximizar a eficiência de carregamento é uma coisa boa e aumentará sua eficiência energética também. A questão é não comprometer a qualidade.

  1. Ter um tempo de aquecimento muito longo
    A porcentagem de quebra de vidro tem sido o KPI mais importante do operador da linha de têmpera por muito tempo. Por este motivo, os operadores fazem naturalmente tudo o que podem para diminuir o desperdício.

Uma forma de evitar quebras é aumentar o tempo de aquecimento. Isso, infelizmente terá um impacto negativo na qualidade do vidro. Quanto mais alta for a temperatura do vidro, pior será a qualidade.

Observe que muitas vezes os operadores pensam que a baixa qualidade de corte ou retificação vem de uma temperatura muito baixa no processo de tempera. Nesse caso, o operador está corrigindo o problema errado e, como resultado, o vidro e a lapidação serão de baixa qualidade.

  1. Trabalhar vidros grossos e finos de maneira semelhante
    Evite colocar um pedaço de vidro grosso em um forno muito quente. Acredite em mim, você não quer ouvir o “Boom!” É o barulho de um vidro espesso quebrando na sua area de aquecimento. Nesse caso, a quebra é causada por choque térmico. Como resultado, o forno precisa ser resfriado e o vidro quebrado removido. Como um lembrete gentil, esse processo leva cerca de dois turnos para ser concluído.

Além disso, ao operar um vidro espesso de cerca de 10–19 mm, a pressão de têmpera que os operadores estão aplicando costuma ser muito baixa. Uma regra comum é que a baixa pressão evita que o vidro se quebre no resfriador. Na maioria das vezes, o caso é quase o oposto. Portanto, não use pressão muito baixa na produção de vidro espesso.

  1. Removendo o fantasma da maneira errada
    Muitos operadores tentam consertar o problema de névoa branca operando a linha para colocar o vidro “triste” no forno. Em outras palavras, os cantos do vidro tocam os rolos, mas o centro não.

Sim, isso elimina a névoa branca, também conhecida como “fantasma”. Mas passar o vidro grosso “triste” vai prejudicar os rolos. O efeito fantasma pode lascar algum vidro das laterais ou causar marcas nos rolos. Como resultado, as seguintes cargas terão problemas e os vidros finos não permanecerão estáveis.

Esta é a minha regra prática: não exagere na tristeza do vidro.

Conclusão
Parece que quanto mais nos sentimos confortáveis ​​com nosso trabalho, mais erros cometemos. E quanto mais você acha que sabe de algo, mais provável é que suas escolhas o levem para o caminho errado. É por isso que mesmo nós, especialistas, devemos sempre manter o básico em mente.

Se você tiver algumas perguntas não respondidas sobre tempera, recomendo fazer o download de nosso e-book gratuito. Ele lhe dará mais noções básicas e outras.

Similar Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.